quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Santa Edith Stein - Tereza Benedita da Cruz- 09 agosto

09/08
(Tereza Benedita da Cruz) Edith Stein nasceu na cidade de Breslau, Alemanha, no dia 12 de outubro de 1891, em uma próspera família de judeus. Aos dois anos ficou órfã do pai. A mãe e os irmãos mantiveram a situação financeira estável e a educaram dentro da religião judaica. Desde menina, Edith era brilhante nos estudos e mostrou forte determinação, caráter inabalável, e muita obstinação. Na adolescência viveu uma crise, abandonou a escola, as práticas religiosas e a crença consciente em Deus. Depois, terminou os estudos com graduação máxima, recebendo o título de doutora em fenomenologia, em 1916. A
Alemanha só concedeu este título à doze mulheres na última metade do século XX. Em 1921, ela leu a autobiografia de Santa Teresa D´Ávila. Tocada pela luz da fé, se converteu e foi batizada, em 1922. Mas, a mãe e os irmãos nunca compreenderam ou aceitaram sua adesão ao catolicismo. A exceção foi sua irmã Rosa, que se converteu e foi batizada no seio da Igreja, após a morte da mãe, em 1936. Edith Stein começou a servir a Deus com seus talentos acadêmicos. Lecionou numa escola dominicana, foi conferencista em Instituições Católicas e finalizou como catedrática numa universidade alemã. Em 1933, chegavam ao poder: Hitler e o partido nazista. Todos os professores não-arianos foram demitidos. Por se recusar a sair do país, os superiores da Ordem do Carmelo a aceitaram como noviça. Em 1934, tomou o hábito das carmelitas e o nome religioso de Teresa Benedita da Cruz. A sua família não compareceu à cerimônia. Quatro anos depois, ela realizou sua profissão solene e perpétua recebeu o definitivo hábito marrom das carmelitas, na época, sua mãe já havia falecido. A perseguição nazista aos judeus alemães se intensificou e Edith foi transferida para o Carmelo de Echt, na Holanda. Um ano depois, sua irmã Rosa foi se juntar a ela neste
Carmelo holandês, pois desejava seguir a vida religiosa. Foi aceita no convento, mas permaneceu como irmã leiga carmelita, não pode professar os votos religiosos, o momento era desfavorável aos judeus, mesmo para os convertidos cristãos. A Segunda Guerra Mundial iniciou e a expansão nazista se alastrou pela Europa e pelo mundo. A Holanda foi invadida e anexada ao Reich Alemão em 1941. A família de Edith Stein se dispersou, alguns emigram e outros desapareceram nos campos de concentração. Os superiores do Carmelo de Echt tentaram transferir Edith e Rosa, para um outro na Suíça. Mas as autoridades civis de lá não facilitaram e a burocracia se arrastou indefinidamente. Em julho de 1942, publicamente os Bispos holandeses emitiram sua posição formal contra os nazistas e em favor dos judeus. Hitler considerou uma agressão da Igreja Católica local e revidou. Em agosto, dois oficiais nazistas levaram Edith e sua irmã Rosa, do Carmelo de Echt. Neste dia, outros duzentos e quarenta e dois judeus católicos foram deportados para os campos de concentração, como represália do Regime Nazista à mensagem dos Bispos holandeses. As duas irmãs foram levadas em um comboio de carga, junto com outras centenas de judeus e dezenas de convertidos, ao norte da Holanda no campo de Westerbork. Ali, Edith Stein, ou a “freira alemã” como a identificaram os sobreviventes, se diferenciou muito dos outros prisioneiros que se entregaram ao desespero, lamentações ou prostração total. Ela procurava consolar os mais aflitos, levantar o ânimo dos abatidos e cuidar do melhor modo possível, das crianças. Assim ela viveu alguns dias, suportando com doçura, paciência e conformidade a vontade de Deus, seu intenso sofrimento e dos demais. No dia 07 de agosto de 1942, Edith Stein, Rosa e centenas de homens, mulheres e crianças, foram de trem para o campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau. Dois dias depois, em 09 de agosto, foram mortas na câmara de gás e
tiveram seus corpos queimados. A Irmã carmelita Teresa Benedita da Cruz foi canonizada em Roma, em 1998, pelo Papa João Paulo II, que indicou sua festa para o dia de sua morte. Esta solenidade contou com a presença de personalidades ilustres, civis e religiosos, da Alemanha e Holanda, além de alguns sobreviventes dos campos de concentração que a conheceram e de vários membros da família Stein. No ano seguinte, o mesmo Sumo Pontífice declarou Santa Edith Stein “co-padroeira da Europa”, junto com Santa Brígida e Santa Catarina de Sena.

http://cleofas.com.br/0908-santa-edith-stein/                                   

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Santos Inocentes - 28 dezembro

Se você fez aborto tenha consciência que cometeu um erro muito grande e faça assim:
1) vá se confessar humildemente
2 faça uma oração de cura interior e libertação, reze o terço. Nossa Senhora  cheia de graça, mãe de Deus, cheia de graça vai te perdoar. Lave seu coração, revista-se do Espirito Santo. Tenha animo, tenha alma

Nós celebramos  a festa dos Santos Inocentes, os santos Inocentes foram aquelas crianças assassinadas barbaramente  por Herodes porque ele queria assassinar JESUS, aquelas crianças não tinham consciência do que estava acontecaendo com elas e se tornaram mártires porque sem saber morreram no lugar de Jesus. Jesus diz em Mateus, aquilo que fizerem ao menor dos meus irmãos fará a mim. Não tem irmão menor que uma criança na barriga de uma mãe, (totalmente indefesa) então a mãe que mata o filho que está na barriga matou quem? Jesus, logo eles morreram no lugar de Jesus e se morreram no lugar de Jesus eles são Mártires, Santos e inocentes. Aquele filho que você matou ele é seu filho e ele é santo porque ele foi mártir, ele morreu em consequência do pecado do mundo ele morreu no lugar do próprio Cristo. E esse Santo inocente está no céu e intercedendo pela sua salvação
O seu filho está no céu rezando por você, intercedendo pela sua cura, veja que coisa maravilhosa, achei lindo estas palavras que Padre Leo disse no seu video. Então honre seu filho e ore por ele, ore por todos os abortados 

É um convite a refletirmos sobre a situação atual de milhões de “pequenos inocentes”
A festa de hoje, instituída pelo Papa São Pio V, ajuda-nos a viver com profundidade este tempo da Oitava do Natal. Esta festa encontra o seu fundamento nas Sagradas Escrituras. Quando os Magos chegaram a Belém, guiados por uma estrela misteriosa, “encontraram o Menino com Maria e, prostrando-se, adoraram-No e, abrindo os seus tesouros, ofereceram-Lhe presentes – ouro, incenso e mirra. E, tendo recebido aviso em sonhos para não tornarem a Herodes, voltaram por outro caminho para a sua terra. Tendo eles partido, eis que um anjo do Senhor apareceu em sonhos a José e disse-lhe: ‘Levanta-te, toma o Menino e sua mãe e foge para o Egito, e fica lá até que eu te avise, porque Herodes vai procurar o Menino para o matar’. E ele, levantando-se de noite, tomou o Menino e sua mãe, e retirou-se para o Egito. E lá esteve até à morte de Herodes, cumprindo-se deste modo o que tinha sido dito pelo Senhor por meio do profeta, que disse: ‘Do Egito chamarei o meu filho’. Então Herodes, vendo que tinha sido enganado pelos Magos, irou-se em extremo e mandou matar todos os meninos que havia em Belém e arredores, de dois anos para baixo, segundo a data que tinha averiguado dos Magos. Então se cumpriu o que estava predito pelo profeta Jeremias: ‘Uma voz se ouviu em Ramá, grandes prantos e lamentações: Raquel chorando os seus filhos, sem admitir consolação, porque já não existem'” (Mt 2,11-20) Quanto ao número de assassinados, os Gregos e o jesuíta Salmerón (1612) diziam ter sido 14.000; os Sírios 64.000; o martirológio de Haguenau (Baixo Reno) 144.000. Calcula-se hoje que terão sido cerca de vinte ao todo. Foram muitas as Igrejas que pretenderam possuir relíquias deles.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

A Igreja comemora a festa da Sagrada Família no domingo após o Natal


Dia da Sagrada Família de Jesus
comemoração móvel da Igreja Católica:
1º domingo depois do Natal ou 30 de dezembro quando o dia de Natal cai num domingo.

Todos os anos, após o Natal, a Igreja Católica dedica um dia à Sagrada Família. Em 2016, a data, que lembra Jesus, Maria e José, será celebrada no dia 30 de dezembro.

SAGRADA FAMÍLIA - 30/12
Quando Deus quis, no seu amor, enviar seu Filho para morar entre nós, Ele escolheu uma família para receber Verbo Divino. Com isso Deus marcou com maior dignidade a família humana e mostrou que esta instituição é essencial para o desenvolvimento da pessoa. 
A família de Nazaré tornou-se assim o modelo para as famílias cristãs do mundo. A bondade de Maria e a justiça de José deveriam ser as virtudes procuradas pelos pais e mães de família. Em Nazaré, Jesus aprendeu a andar, correr, brincar, comer, rezar, cresceu, estudou, foi aprendiz e auxiliar de seu pai adotivo José, a quem amava muito e por ele era muito amado também. 

Jesus nasceu numa verdadeira família para receber tudo o que necessitava para crescer e viver, mesmo sendo muito pobre. Teve o amor dos pais unidos pela religião, trabalhadores honrados, solidários com a comunidade, conscientes e responsáveis por sua formação escolar, cívica, religiosa e profissional. 

Essa família é o modelo de todos os tempos. É exemplar para toda a sociedade, especialmente nos dias de hoje, tão atormentada por divórcios e separações de tantos casais, com filhos desajustados e todos infelizes. A família deve ser criada no amor, na compreensão, no diálogo, com consciência que haverá momentos difíceis e crises.
Colaboração: Padre Evaldo César de Souza, CSsR

REFLEXÃO Cada homem e cada mulher que deixam o pai e a mãe para se unirem em matrimônio e constituir uma nova família não o podem fazer levianamente, mas devem fazê-lo somente por um autêntico amor, que não é uma entrega passageira, mas uma doação definitiva, absoluta, total até a morte.

ORAÇÃO Ó Deus de bondade, que nos destes a Sagrada Família como exemplo. Concedei-nos imitar em nossos lares as suas virtudes para que, unidos pelos laços do amor, possamos chegar, um dia, às alegrias da vossa casa. Por Cristo Senhor Nosso. Amém.
http://www.a12.com/santuario-nacional/santuario-virtual/santo-do-dia
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~



A Festa da Sagrada Família é uma celebração litúrgica na Igreja Católica Romana em honra de Jesus de Nazaré, Sua mãe, a Virgem Maria, e adotivo, Seu pai São José, como uma família exemplar, servindo assim de exemplo para todos aqueles que constituem a sua família seguindo os rituais católicos.

A Festa da Sagrada Família é comemorada no domingo seguinte, a seguir ao Natal, a menos que o domingo seja o dia 1 de janeiro, e, nesse caso é comemorada a 30 de dezembro, conforme calendário de 1969 (ver no fim).

A veneração da Sagrada Família foi formalmente iniciada no século 17 por Dom François de Laval , um bispo canadense que fundou uma Confraria .
A festa da Sagrada Família foi instituída pelo Papa Leão XIII em 1893 no domingo dentro da Oitava da Epifania (festa dos Santos Reis Magos) , ou seja, no domingo entre 6 a 13 de janeiro,(ver Calendário Geral Romano de 1962).

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Santa Francisca Xavier Cabríni - 22 dez




SANTA FRANCISCA XAVIER CABRINI - 22/12
Nascida em 15 de julho de 1850, desde pequena, se entusiasmava ao ler a vida dos santos. A preferida era a do Santo Francisco Xavier, a quem venerou tanto que assumiu seu sobrenome, se auto-intitulando Xavéria. 

Ainda jovem ficou órfã. Mas o ofício de professora ajudou-a a manter a vida e cultivar o sonho de ser religiosa. A fragilidade física era a principal barreira. Mas Francisca nunca desistiu do sonho de ser freira. 

Passado o tempo, quando já tinha trinta anos de idade, desabafou com um bispo o quanto desejava abraçar uma obra missionária e esse a aconselhou: "Quer ser missionária? Pois se não existe ainda um instituto feminino para esse fim, funde um". Foi exatamente o que ela fez. 

Em 1877 fundou o Instituto das Irmãs Missionárias do Sagrado Coração de Jesus, que colocou sob a proteção de Santo Francisco Xavier. Francisca preparou missionárias dispostas e plenas de fé como ela, para acompanhar os emigrantes em sua jornada para as Américas. Tinham o objetivo de fundar nas terras aonde chegavam, hospitais, asilos e escolas que lhes possibilitassem calor humano, amparo e conforto. Ela própria veio para a América, onde pessoalmente administrou muitas obras sociais. 

Madre Cabrini, como era popularmente chamada, morreu em Chicago, em 22 de dezembro de 1917, nos Estados Unidos. 

Colaboração: Padre Evaldo César de Souza, CSsR

REFLEXÃO Essa santa é considerada a grande mãe dos imigrantes italianos no começo do século XX. Foi missionária corajosa, apesar da fragilidade física. Soube servir a Cristo na pessoa do mais pobre e fez de sua vida uma constante ação de graças.

ORAÇÃO Ó Deus, concedei-nos, pelas preces de Santa Francisca Xaviéria Cabrini, a quem destes perseverar na imitação de Cristo pobre e humilde, seguir a nossa vocação com fidelidade e chegar àquela perfeição que nos propusestes em vosso Filho. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.
http://www.a12.com/santuario-nacional/santuario-virtual/santo-do-dia

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Santo Antonio, doutor da Igreja - 13 junho



Conheceu a família dos Franciscanos, encantou-se pelo testemunho dos mártires em Marrocos, e levou uma vida itinerante na santa pobreza

Neste dia, 13 DE JUNHO, celebramos a memória do popular santo – doutor da Igreja – que nasceu em Lisboa, no ano de 1195, e morreu nas vizinhanças da cidade de Pádua, na Itália, em 1231, por isso é conhecido como Santo Antônio de Lisboa ou de Pádua. O nome de batismo dele era Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo.

Ainda jovem pertenceu à Ordem dos Cônegos Regulares, tanto que pôde estudar Filosofia e Teologia, em Coimbra, até ser ordenado sacerdote.

Não encontrou dificuldade nos estudos, porque era de inteligência e memória formidáveis, acompanhadas por grande zelo apostólico e santidade. Aconteceu que em Portugal, onde estava, Antônio conheceu a família dos Franciscanos, que não só o encantou pelo testemunho dos mártires em Marrocos, como também o arrastou para a vida itinerante na santa pobreza, uma vez que também queria testemunhar Jesus com todas as forças.

Ao ir para Marrocos, Antônio ficou tão doente que teve de voltar, mas providencialmente foi ao encontro do “Pobre de Assis”, o qual lhe autorizou a ensinar aos frades as ciências que não atrapalhassem os irmãos de viverem o Santo Evangelho. Neste sentido, Santo Antônio não fez muito, pois seu maior destaque foi na vivência e pregação do Evangelho, o que era confirmado por muitos milagres, além de auxiliar no combate à Seita dos Cátaros e Albigenses, os quais isoladamente viviam uma falsa doutrina e pobreza. Santo Antônio serviu sua família franciscana através da ocupação de altos cargos de serviço na Ordem, isto até morrer com 36 anos para esta vida e entrar para a Vida Eterna.

Santo Antônio, rogai por nós!
http://santo.cancaonova.com/santo/santo-antonio-doutor-da-igreja/

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Teresa - Negrita - Tshikaba - A Princesa Africana - 06 dezembro

“Morreu tendo vivido setenta e dois anos sem mancha de pecado mortal”. Esse magnífico epitáfio resume a vida de uma africana, nobre por seu sangue, mas muito mais pela virtude de sua alma.
Era o ano de 1676, quando os olhos de Tshikaba contemplaram pela primeira vez a luz deste mundo. Nascida na África Ocidental, às margens do Golfo da Guiné, era a última dos quatro filhos de uma família de reis. Bem cedo, demonstrara inteligência incomum e, por isso, comentava-se ser ela quem governaria após a morte de seus pais.

O reino de Tshikaba era pagão e seus habitantes adoravam o Sol. Ansiosos, aguardavam as primeiras luzes do alvorecer para saírem ao encontro do astro-rei com cantos e aclamações rituais. Mas Tshikaba era uma menina diferente das outras. Reflexiva e contemplativa, indagava o sentido de todas as coisas ao seu redor, procurando responder à pergunta que surgia invariavelmente no seu interior: quem comanda e mantém esta natureza tão exuberante e repleta de beleza? Sem ela perceber, a sede insaciável do Absoluto brotava do mais profundo de sua alma inocente.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

São Judas Tadeu - 28 novembro

Invocado como o santo dos desesperados e aflitos, o santo das causas sem solução e das causas perdidas

São Judas Tadeu era natural de Caná da Galiléia, na Palestina. Sua família era constituída do pai, Alfeu (ou Cléofas) e a mãe, Maria Cléofas. Eram parentes de Jesus. O pai, Alfeu, era irmão de São José; a mãe, Maria Cléofas, prima irmã de Maria Santíssima. Portanto, Judas Tadeu era primo irmão de Jesus. O irmão de Judas Tadeu, Tiago, chamado o Menor, também foi discípulo de Jesus.

A Bíblia trata pouco de Judas Tadeu. Mas aponta o importante: Judas Tadeu foi escolhido por Jesus, para apóstolo (Mt 10,4). É citado explicitamente nas Escrituras pelo evangelista João (Jo 14,22). Na ceia, Judas Tadeu perguntou a Jesus: "Mestre, por que razão hás de manifestar-te só a nós e não ao mundo?" Jesus lhe respondeu afirmando que teriam manifestação dele todos os que guardassem sua palavra e permanecessem fiéis a seu amor.Após ter recebido o dom do Espírito Santo, Judas Tadeu iniciou sua pregação na Galiléia. Passou para a Samaria e Iduméria e outras populações judaicas. Pelo ano 50, tomou parte no primeiro Concílio, o de Jerusalém. Em seguida, foi evangelizar a Mesopotâmia, Síria, Armênia e Pérsia. Neste país recebeu a companhia de outro apóstolo, Simão. A pregação e o testemunho de Judas Tadeu impressionaram os pagãos que se convertiam. Isto provocou a inveja e fúria contra o apóstolo, que foi trucidado, a golpes de cacetes, lanças e machados. Isso, pelo ano 70. São Judas Tadeu foi mártir, quer dizer: mostrou que sua adesão a Jesus era tal, que testemunhou a fé com a doação da própria vida.
A brevíssima Carta de São Judas, que está na Bíblia, é uma severa advertência contra os falsos mestres e um convite a manter a pureza da fé. Nos versículos 22-23 propõe pontos fundamentais de um programa de vida cristã: fé, oração, auxílio mútuo, confiança na misericórdia de Jesus Cristo.

A imagem de São Judas tem o livro, que é a Palavra que ele pregou e a machadinha, com a qual foi morto. Os restos mortais, após terem sido guardados no Oriente Médio e na França, foram definitivamente transferidos para Roma, na Basílica de São Pedro.

http://www.saojudas.org.br/saojudas.html
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Celebramos na alegria da fé os apóstolos São Simão e São Judas Tadeu. Os apóstolos foram colunas e fundamento da verdade do Reino

Roberto Carlos - O homem ♫

ROBERTO CARLOS - A BARCA 1999 (Ao Vivo no Santuário de Aparecida SP Mome...

Padre Zezinho no Especial Roberto Carlos 1997

Roberto Carlos & Papa João Paulo II (Brasil-1997)

ROBERTO CARLOS - O HOMEM BOM ('São João de Deus - Santo Papa') 1996 - HD

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

São Frei Galvão

Frei Galvão, o padroeiro dos engenheiros, arquitetos e construtoresnasceu no dia 10 de maio de 1739 na vila de Santo Antônio de Guaratinguetá, atual Guaratinguetá, no vale do Paraíba. A vila estava na região chamada Capitania de São Paulo, hoje, Estado de São Paulo. Galvão era o quarto de dez filhos de uma família muito religiosa, rica e nobre.  Seu pai, Antônio Galvão de França, português, era o capitão-mor (prefeito) da vila, comerciante, pertencia à Ordem Terceira Franciscana e era famoso por sua generosidade. A mãe de Antônio Galvão era Isabel Leite de Barros, mulher generosa, filha de fazendeiros e descendente da família do bandeirante Fernão Dias.

Frei Galvão, uma infância de estudos
Galvão viveu até os 13 anos na casa de sua família em Guaratinguetá, SP. Quando atingiu está idade foi enviado pelos pais ao seminário jesuíta Colégio de Belém, em Cachoeira, na Bahia, para estudar ciências humanas. No mesmo seminário já estava o irmão de Frei Galvão, José, de 19 anos. Galvão estudou no seminário de 1752 a 1756. Onde, progrediu nos estudos, especialmente na construção civil e na prática cristã.

A perda da mãe
Em 1755, recebeu a notícia da morte prematura de sua mãe. Este fato fez com ele assumisse Santa Ana (Santana), de quem era devoto, como mãe espiritual. Tanto que seu futuro nome de religioso será “Frei Antônio de Santana Galvão”. Ele queria ser jesuíta, mas as perseguições contra os jesuítas instaurada pelo Marquês de Pombal,  obrigaram-no a seguir o conselho do pai e se tornar franciscano, no convento de Macacu, em Itaboraí, Rio de Janeiro.

Ordenação e transferência
Em 11 de julho de 1762, frei Galvão foi ordenado sacerdote e transferido para o 
Convento de São Francisco na cidade de São Paulo. Lá, ele continuou os estudos de filosofia e teologia. Em 1768, foi nomeado confessor, pregador e porteiro do convento. Era um cargo importante na época. Frei Galvão se destacou nesse cargo de tal forma que a Câmara Municipal lhe deu o título de o "novo esplendor do Convento".

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Lectio Divina - Leitura Orante

Lectio divina é um método de oração que pode levar à mais alta contemplação, muito praticado na Igreja desde os seus primórdios, particularmente nos mosteiros beneditinos. Guigo, prior da Grande Cartuxa, na sua famosa Scala Claustralium construiu uma escada de quatro degraus, a saber:

1. Lectio - Leitura
2. Meditatio - Meditação
3. Oratio - Oração
4. Contemplatio - Contemplação



Na Lectio/Leitura, toma-se o Texto Sagrado, A Sagrada Escritura de preferência e faz-se a leitura lenta e cuidadosa do texto, não tanto com o objetivo de fazer uma exegese bíblica, mas sim o de 'escutar' o que Deus fala ao leitor. Pode-se repetir a leitura quantas vezes for preciso, até que se sinta 'tocado', pelo Senhor.


Na Meditatio/Meditação, rumina-se a Palavra, busca-se perceber o que é que Deus fala àquele(a) que lê. Não é mais uma leitura, mas uma 'escuta' da Palavra. "Fala, Senhor, teu servo escuta!"



Na Oratio/Oração, responde-se a Deus que antes falou. De acordo com o contexto, com a história pessoal de cada um naquele momento, deixa-se o coração derramar-se diante do Senhor. Se antes se escutou, agora responde-se a Deus. Pode ser uma súplica, ação de graças, petição, o que o coração mandar, enfim. É um diálogo com Deus e uma relação entre dois seres que se amam. A alma e Deus!
Na Contemplatio/Contemplação, já não há mais necessidade de palavras. O orante/leitor tomou contato com o texto escrito, ou até diante da Natureza, de um fato da vida; leu, ou melhor, 'escutou' a Voz que fala em seu coração. Responde a essa Palavra, escrita ou não. E no último estágio, na Contemplação, cala-se, adora, entrega-se numa adoração muda e silenciosa. A Oração Centrante Oração centrante é uma modalidade de oração contemplativa que se enquadra nesse quarto estágio da Lectio Divina.




A 'Lectio Divina', como escreve São Bento, a exemplo de Santo Ambrósio, Santo Agostinho e outros Padres - já encontramos essa expressão em Orígenes (theía anágnosis) - , é "considerada por toda a tradição"- e pelo congresso dos abades beneditinos de 1967 - "como um dos meios mais adequados e necessários para a vida dos monges". Constitui uma parte essencial da conversatio monástica, um dos instrumentos tradicionais mais característicos para buscar a Deus. (D.Garcia M. Colombás, MB, in Diálogo com Deus - Introdução à Lectio Divina", ed. Paulus, p.16).

Obtido em "http://pt.wikipedia.org/wiki/Lectio_Divina"


Sao José

Guarda fiel e providente é esta a regra geral de todas as graças especiais concedidas a qualquer criatura racional: quando a providência divina escolhe alguém para uma graça perticular ou estado superior, também dá à pessoa assim escolhida todos os carismas necessários para o exercício de sua missão.

Isso verificou-se de forma eminente em São José, pai adotivo do Senhor Jesus Cristo e verdadeiro esposo da rainha do mundo e senhora dos anjos. Com efeito, ele foi escolhido pelo Pai eterno para ser o guarda fiel e providente dos seu maiores tesouros: o Filho de Deus e a Virgem Maria. E cumpriu com a máxima fidelidade sua missão. Eis por que o Senhor lhe disse: “Servo bom e fiel! Vem particpar da alegria do teu Senhor!( LITURGIA DAS HORAS, Oficio das Leituras.volune II, pag. 1485)

“Veneremos, de modo particular, São josé, fazendo sua comemoração às Vésperas de todas as quartas-feiras; na primeira quarta-feira do mês, recitemos também a ladainha. A sua festividade seja precedida de um tríduo de orações.” (Diret. Geral Art.47)

Oração a São José
Lembrai-vos, ó castíssimo esposo da Virgem Maria, São José, meu amável protetor, que nunca se ouviu dizer que alguns daqueles que invocaram a vossa proteção e imploram o vosso socorro, tivessem ficado sem consolação.
Cheia de confiança, apresento-me diante de vós e recomendo-me, com favor, ao vosso patricínio. Não desprezeis as minhas orações, ó Pai nutrício do Redentor, mas ouvi-as, favoravelmente, e dignai-vos acolhê-las. Amém.
fonte: http://www.beneditinasdp.org.br/devocoes.php

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Basílica de São Pedro no Vaticano - Roma

São Pedro foi crucificado em Roma e seus restos mortais estão nesta igreja.
Em 1939 o papa Pio XII fez escavações debaixo da basílica de São Pedro e ali descobriu um grande cemitério com um túmulo especial onde estava escrito "aqui está Pedro".
A basílica de São Pedro foi construída em cima do túmulo de São Pedro onde se encontra hoje o altar mor da basílica, lá embaixo era o túmulo de São Pedro desde a igreja primitiva.

No subsolo estão enterrados mais de 160 corpos de papas dos 266, muitos estão nas catacumbas.

Houve uma igreja primitiva que foi demolida e no século XVI construída outra por iniciativa do papa Julio II. Aqui é a residência do papa.
É a maior basílica da igreja católica. Esta basílica é uma paróquia da diocese de Roma e o papa é bispo desta igreja.

A cátedra do papa não é esta igreja, mas sim da Basílica Santa Maria Maior Basílica di San Giovanni in Laterano, que foi por mais de 1500 anos a residência do papa e a cátedra de São Pedro depois o papa Julio II preferiu construir a Basílica de São Pedro.

A Basílica de São Pedro é a maior igreja do mundo, tem mais de 130 metros de altura
Tem uma porta de bronze quando está fechada significa que o papa está muito mal.
                               São Pedro todos os fiéis tocam os pés da estátua pedindo proteção.
A sua construção contou com a participação de grandes mestres como Michelangelo e Bernini

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Santa Isabel e São Zacarias - pais de sao João Batista - 05 novembro


"Existiu, no tempo de Herodes, rei da Judéia, um sacerdote chamado Zacarias, da ordem de Abias, e cuja mulher era das filhas de Arão; e o seu nome era Isabel."
Lucas 1,5

De acordo com o texto do Evangelho de São Lucas, Zacarias e Isabel eram pessoas consideradas justas diante de Deus, "vivendo irrepreensivelmente em todos os mandamentos e preceitos do Senhor". Porém, não tinham filhos porque Isabel era estéril.

Quando o casal já se encontrava em idade avançada, o anjo Gabriel apareceu a Zacarias quando este se encontrava no templo oferecendo incenso, tendo anunciado que Isabel iria ter um filho que se chamaria João.

"E um anjo do Senhor lhe apareceu, posto em pé, à direita do altar do incenso.

E Zacarias, vendo-o, turbou-se, e caiu temor sobre ele.

Mas o anjo lhe disse: Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, dará à luz um filho, e lhe porás o nome de João." Lucas 1,10-13

Isabel então concebeu, tendo então se ocultado das vistas das pessoas pelo lapso de cinco meses.

Santa Isabel de Portugal -04 julho

Mãe e rainha, bondosa e decidida, corajosa e pacificadora, foi amada com paixão por seus súditos. Seu segredo: o amor a Jesus crucificado acima de todas as coisas.

Quem alguma vez teve a aprazível oportunidade de visitar Coimbra, certamente terá admirado suas numerosas maravilhas: desde o precioso jazigo de Dom Afonso Henriques, fundador do Reino de


Portugal, até os variados e belos parques que adornam a cidade. Brilha ainda a histórica Universidade que, através de suas sólidas raízes e requintados frutos, é a instituição que representa a maior expressão da Língua Portuguesa.

Contudo, quem vem de longe não deixa de notar o sincero carinho dos habitantes por sua insigne padroeira, a Rainha Santa Isabel: o anjo de bondade e de paz que o Senhor mandou para Portugal.

Curiosamente, Santa Isabel não é portuguesa de nascença. Quis a mão da Providência colhê-la no solo aragonês, onde veio ao mundo no longínquo ano de 1271. Precedeu-a em nobreza e santidade sua tia-avó, Santa Isabel da Hungria, de quem herdou, além do nome, os mais excelentes predicados. A pequena filha de Pedro III de Aragão e de Constança da Sicília foi, a exemplo de sua tia, grande seguidora de São Francisco de Assis e uma alma toda voltada para os pobres e necessitados.

Pacificou ânimos e guerras desde o berço até a hora da morte, e não houve, entre o primeiro nobre e o último, doente quem se furtasse à sua tão benéfica influência. Todos saíam de sua presença dispostos a reconciliar-se com Deus e a perdoar o próximo.

Uma menina que dulcificava os corações
Quando nasceu Santa Isabel, havia uma briga entre seu pai e seu avô, Jaime I, o Conquistador. Há tempo não se falavam, porque esse rei de Aragão não aprovava o casamento de seu filho Pedro com Dona Constança. Apenas nasceu a santa menina, foram-se apagando as desavenças domésticas e houve grande harmonia naquela casa real. O destemido avô não ocultava sua grande predileção por essa criança e fez questão de que ela fosse educada em seu palácio, para poder gozar de sua companhia. A razão mais profunda pela qual não queria separar-se dela era o sensível influxo de bênçãos e a suavidade que emanavam de sua pessoa. Num ambiente carregado de tensões e pesados encargos, aquele precioso tesouro dulcificava os corações. Após o falecimento de Jaime I, a infanta permaneceu ainda alguns anos com seus pais. Muito em breve ela se tornaria rainha de Portugal.

Santa Isabel prima de Maria e mãe de joão Batista

"Bendita és tu entre as mulheres ... (Lc 1, 42). De onde me vem (a honra de) que a mãe de meu Senhor me visite?" (Lc 1, 43)
Mons. João Clá Dias, EP

Vamos colocar nossa imaginação neste caminho percorrido por Maria a pé, desde de Nazaré até os montes onde habitavam São Zacarias e Santa Isabel e com os olhos fixos nessa viagem vamos nos voltar para pedir a nossa Mãe Celeste para que Ela nos assista com graças especiais, para repararmos o quanto Seu Imaculado Coração merece. Pois, por nossas simples forças, qualidades, capacidades, não temos méritos suficientes para fazer essa reparação dignamente. Mas se Ela nos emprestar o Seu próprio Coração Imaculado, aí sim, estaremos a altura de realiarmos esta reparação.
Oração Inicial
Oh! Maria Santíssima, medianeira de todas as graças, Vós que neste mistério do Rosário, ao visitar Vossa prima Santa Isabel, demonstrastes uma solicitude extraordinária, uma caridade, um desejo de fazer o bem ao próximo, fora do comum. Fostes sem tardança ao encontro de quem precisava de Vossa ajuda.
Pedimos que durante esta meditação, estejais ao nosso lado inspirando-nos, ajudando-nos, orientando-nos e incutindo-nos muita piedade, muito fervor e muita devoção a Vós. Rogamos que nos ensineis a cada passo, todas as lições que este mistério do Rosário dará a cada um de nós. Minha Mãe, assisti-nos como filhos, como filhas, inteiramente postos em Vossas mãos.
Ave Maria, .....

I - Maria nos convida a empreender um caminho ...
Naqueles dias, levantando-se Maria, foi com pressa às montanhas, a uma cidade de Judá. E entrou em casa de Zacarias, e saudou Isabel. (Lc 1, 39-40). Maria nos dá o exemplo de quanto nós devemos ser sensíveis, o quanto devemos ser flexíveis, o quanto devemos estar prontos para atender as inspirações que Deus põe em nossas almas.

Quantas e quantas vezes nós ao longo de nossa vida temos essas ou aquelas inspirações, temos esses ou aqueles toques interiores da graça, sentimos em nossa alma que devemos empreender um caminho ou então abandonar algo que nos prejudica, que nos leva a ofender a Deus. Quantas vezes sentimos a voz de consciência, ou a própria voz de Deus nos convidando a empreender um caminho...
Nossa Senhora foi visitar Santa Isabel, não porque pudesse haver qualquer resquício de dúvida, sobre o que tinha dito o Anjo, ou então que este a tivesse enganado. Jamais isto teria acontecido. Ela foi visitar a prima porque recebeu uma inspiração de fazê-lo, foi tocada por uma graça, recebendo assim, um impulso em seu interior e obedecendo a este prontamente. Ela põe-se a campo, porque lhe veio ao espírito uma preocupação:

sábado, 9 de julho de 2016

Santa Isabel da Hungria - 17 novembro

Hoje celebramos a memória de uma mulher de Deus, que devida sua vida de santidade teve o seu nome em muitas instituições de caridade e foi declarada como Padroeira da Ordem Terceira Franciscana. Isabel era filha de André, rei da Hungria, e nasceu num tempo em que os acordos das nações eram selados com o casamento. No caso de Isabel, ela fora prometida a Luís IV (duque hereditário da Turíngia) em matrimônio, um pouco depois de seu nascimento em 1207.


Santa Isabel foi morar na corte do futuro esposo e lá começou a sofrer veladas perseguições por parte da sogra que, invejando o amor do filho para com a santa, passou a caluniá-la como esbanjadora, já que tinha grande caridade para com os pobres. Mulher de oração e generosa em meio aos sofrimentos, Isabel sempre era em tudo socorrida por Deus. Quando já casada e com três filhos, perdeu o marido numa guerra e foi expulsa da corte pelo tio de seu falecido esposo, agora encarregado da regência.

Aconteceu que Isabel teve que se abrigar num curral de porcos com os filhos, até ser socorrida como pobre pelos franciscanos de Eisenach, uma vez que até mesmo os mendigos e enfermos ajudados por ela insultavam-na, por temerem desagradar o regente. Ajudada por um tio que era Bispo de Bamberga, Isabel logo foi chamada para voltar à corte, e seus direitos, como os de seus filhos, foram reconhecidos, isto porque os companheiros de cruzada do falecido rei tinham voltado com a missão de dar proteção à Isabel, pois nisto consistiu o último pedido de Luís IV.
Santa Isabel não quis retornar para Hungria; renunciou aos títulos, além de entrar na Ordem Terceira de São Francisco. Fundou um convento de franciscanas em 1229 e pôs-se a servir os doentes e enfermos até morrer, em 1231, com apenas 24 anos num hospital construído com seus bens.

Sao João Batista


De altas virtudes e rigorosas penitências, anunciou o advento do Cristo e ao denunciar os vícios e injustiças deixou Deus conduzí-lo

Com satisfação lembramos a santidade de São João Batista que, pela sua vida e missão, foi consagrado por Jesus como o último e maior dos profetas: “Em verdade eu vos digo, dentre os que nasceram de mulher, não surgiu ninguém maior que João, o Batista…De fato , todos os profetas, bem como a lei, profetizaram até João. Se quiserdes compreender-me, ele é o Elias que deve voltar.” (Mt 11,11-14)

Filho de Zacarias e Isabel, João era primo de Jesus Cristo, a quem “precedeu” como um mensageiro de vida austera, segundo as regras dos nazarenos.

São João Batista, de altas virtudes e rigorosas penitências, anunciou o advento do Cristo e ao denunciar os vícios e injustiças deixou Deus conduzí-lo ao cumprimento da profecia do Anjo a seu respeito: “Pois ele será grande perante o Senhor; não beberá nem vinho, nem bebida fermentada, e será repleto do Espírito Santo desde o seio de sua mãe. Ele reconduzirá muitos dos filhos de Israel ao Senhor seu Deus: e ele mesmo caminhará à sua frente…” ( Lc 1, 15)

São João Batista desejava que todos estivessem prontos para acolher o Mais Forte por isso, impelido pela missão profética, denunciou o pecado do governador da Galileia: Herodes, que escandalosamente tinha raptado Herodíades – sua cunhada – e com ela vivia como esposo.

Preso por Herodes Antipas em Maqueronte, na margem oriental do Mar Morto, aconteceu que a filha de Herodíades (Salomé) encantou o rei e recebeu o direito de pedir o que desejasse, sendo assim, proporcionou o martírio do santo, pois realizou a vontade de sua vingativa mãe: “Quero que me dês imediatamente num prato, a cabeça de João, o Batista” (Mc 6,25)

São Pedro

Simão, natural de Betsaida, da Galiléia, às margens do lago de Genesaré, também conhecido como mar de Tiberíades, era filho de Jonas e pescador de profissão. Era sócio com seu irmão André e com Tiago e João, de uma pequena frota de barcos pesqueiros. Durante um período de baixa estação de pesca André, seu irmão, encontrou Jesus e comentou com seu irmão sobre o "messias". Simão quis conhecer Jesus e foi observado por ele. Nele via um homem autoritário, impulsivo, entusiasmado, franco, bondoso e extremamente generoso. Jesus, elegeu-o um de seus escolhidos: "a partir de hoje você vai se chamar Pedro". A partir desse dia, Simão não seria mais pescador de peixes, mas sim de novos homens. Pedro renegou a Jesus por três vezes. Mas também várias vezes professou sua fé. "aonde iremos, senhor, se só tu tens palavras de vida eterna?" "tu é o cristo, o filho do deus vivo". "senhor, tu sabes que te amo". Pedro era o principal apóstolo. Esteve presente nas bodas de Canaã. Foi ele que, em companhia de João foi encarregado de preparar o cenáculo, para a celebração da páscoa.

          Quando Jesus foi preso, apenas Pedro e João, o seguiram. Reconhecido, porém, como um dos discípulos, negou que conhecesse Jesus. Chorou muito e se arrependeu, por mais esta negação. Poucos dias antes de sua ascensão, Jesus lhe perguntou: "Pedro, tu me amas?". E após o sim de Pedro, com estas palavras "apascenta meus cordeiros", Jesus o confirmou como líder da igreja e lhe entregou todo o rebanho. No ano de 64 Pedro estava preso condenado a morrer crucificado. Conseguiu convencer seus carrascos a crucifica-lo de cabeça para baixo, porque não se achava digno de ser tratado como seu divino mestre. Dia 29 de junho, antigo dia da festa de Rômulo e Remo, considerados pais de Roma, foi escolhido como o dia para a festa de São Pedro e São Paulo.

São Pedro, ademais, recomendava um expressivo exercício de ascese, que julgava essencial aos cristãos: "Por estes motivos, esforçai-vos quanto possível por unir à vossa fé avirtude, à virtude a ciência, à ciência a temperança, à temperança a paciência, à paciência a piedade, à piedade o amor fraterno, e ao amor fraterno a caridade. Se estas virtudes se acharem em vós abundantemente, elas não vos deixarão inativos nem infrutuosos no conhecimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. Porque quem não tiver estas coisas é míope, cego: esqueceu-se da purificação dos seus antigos pecados." 2 Pd 1,5-9

São Paulo 29 junho

São Paulo nasceu em Tarso da Sicília, por volta de ano 10 da era cristã. Além de ser judeu, da tribo de Benjamim, era também cidadão romano. Desde a infância foi educado conforme a doutrina dos fariseus por um sábio chamado Gamaliel.   Destacou-se inicialmente como um implacável perseguidor das primeiras comunidades cristãs. Foi conivente com ao assassinato de Santo Estevão.

          Sua conversão ocorreu de modo inesperado quando ele estava a caminho de Damasco liderando uma perseguição contra os cristãos daquela cidade. Jesus Ressuscitado apareceu-lhe e o derrubou do cavalo, transformando-o de cruel perseguidor dos cristãos em ardoroso apóstolo dos gentios. Este fato aconteceu por volta do ano 36 e, a partir desse momento, Paulo consagrou toda sua vida a serviço de Cristo, viajando por todo o mundo conhecido de então, anunciando o Evangelho de Jesus Cristo e o mistério de sua paixão, morte e ressurreição. Foi ele quem lançou as bases da evangelização no mundo helênico, fundando numerosas comunidades e percorrendo toda a Ásia Menor, a Grécia e Roma. É sem dúvida uma das principais colunas do cristianismo.
          São Paulo era o mais culto dos apóstolos. É conhecido por suas 14 cartas, lidas freqüentemente nas celebrações eucarísticas da Liturgia da Palavra. Através de suas cartas sabemos muita coisa a respeito de sua vida e das verdades fundamentais de nossa fé.
          Ao lado dos Evangelhos, suas epístolas são as fontes de todo o pensamento e de toda a vida e mística cristãs. Isso o coloca em um lugar de destaque entre os maiores pensadores da história do cristianismo.
          São Paulo era homem de grande poder de liderança. É a figura mais cosmopolita de toda a Bíblia.
          Sua representação mostra o santo escrevendo, pois foi por esse meio que ele nos deixou toda uma doutrina.
          Seu dia é comemorado em 29 de junho.

Santa Úrsula - 21 outubro


Durante a Idade Média, a italiana Ângela de Mérici, fundou a Companhia de Santa Úrsula, com o objetivo de dar formação cristã a meninas

Úrsula nasceu no ano 362, filha dos reis da Cornúbia, na Inglaterra. A fama de sua beleza se espalhou e ela passou a ser desejada por vários pretendentes (embora Úrsula tenha feito um voto secreto de consagração total a Deus). Seu pai acabou aceitando a proposta de casamento feita pelo duque Conanus, um general de exército pagão, seu aliado.

Úrsula fora educada nos princípios cristãos. Por isso ficou muito triste ao saber que seu pretendente era pagão. Quis recusar a proposta mas, conforme costume da época, deveria acatar a decisão de seu pai. Pediu, então, um período de três anos para se preparar. Ela esperava converter o general Conanus durante esse tempo, ou então, encontrar um meio de evitar o casamento. Mas não conseguiu nem uma coisa, nem outra.

Conforme o combinado, ela partiu para as núpcias, viajando de navio, acompanhada de onze jovens, virgens como ela, que iriam se casar com onze soldados do duque Conanus. Há lendas e tradições que falam em onze mil virgens, ao invés de onze apenas. Mas outros escritos da época e pesquisas arqueológicas revelaram que foram mesmo onze meninas.

Foram navegando pelo rio Reno e chegaram a Colônia, na Alemanha. A cidade havia sido tomada pelo exército de Átila, rei dos hunos. Eles mataram toda a comitiva, sobrando apenas Úrsula, cuja beleza deixou encantado ao próprio Átila. Ele tentou seduzi-la e lhe propôs casamento. Ela recusou, dizendo que já era esposa do mais poderoso de todos os reis da Terra, Jesus Cristo. Átila, enfurecido, degolou pessoalmente a jovem, no dia 21 de outubro de 383. Em Colônia, uma igreja guarda o túmulo de Santa Úrsula e suas companheiras.

Durante a Idade Média, a italiana Ângela de Mérici, fundou a Companhia de Santa Úrsula, com o objetivo de dar formação cristã a meninas. Seu projeto foi que essas futuras mamães seriam multiplicadoras do Evangelho, catequizando seus próprios filhos. Foi um avanço, tendo em vista que nesta época a preocupação com a educação era voltada apenas para os homens. Segundo a fundadora, o nome da ordem surgiu de uma visão que ela teve.

São Cipriano

São Cipriano, foi santo pelo sacrifício que fez em função da sua fé, tendo pago com a vida o preço da sua crença em Deus e em Jesus Cristo. Sao Cipriano foi por isso mártir.

Foi neste ambiente social, religioso e cultural (como descrito abaixo) que Cipriano nasceu. Cipriano, Filho de Edeso, ( pai), e Cledónia , ( mae), nasceu em 250 d.C. Era descendente de uma prospera família e filho de pais abastados e crentes das divindades pagas , que cedo o entregaram ao sacerdócio de Deuses.

Cipriano entrou assim em contacto com as ciências ocultas, e aprofundou afincadamente os seus estudos de feitiçaria, rituais sacrificiais e invocações de espíritos, astrologia, adivinhação, etc.

Cipriano nutria uma verdadeira vocação e gosto pelos estudos místicos e religiosos. Assim, Cipriano dedicou a sua vida ao estudo das ciências ocultas, sendo que ficou conhecido pelo epíteto de o «feiticeiro». Cipriano alcançou grande fama e o seu nome foi reconhecido enquanto um poderoso feiticeiro, capaz de grandes prodígios.

Por volta dos seus 30 anos, Cipriano encontra-se na Babilónia, onde encontra a bruxa Èvora.

Estudando com ela, Cipriano desenvolve as suas capacidades premonitórias e outras matérias sobre as artes da bruxaria segundo as tradições místicas dos Caldeus.

Após o falecimento da Bruxa Évora, Cipriano herda os seus manuscritos esotéricos, dos quais extrai muita da sua sabedoria oculta.

Ao fim de algum tempo, Cipriano já domina as artes das ciências de magia negra, contactando demónios. Diz-se que se tornou amigo intimo de Lúcifer e Satanás, para os quais conseguia angariar a perdição de muitas belas e jovens mulheres, o que muito agradava aos diabos, que em troca lhe concediam grandes poderes sobrenaturais.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Santa Apolonia ou Santa Apolinaria de Alexandria - 09 fevereiro


Dia 09 de fevereiro

História: Esta santa foi muito popular na idade média como padroeira dos dentes, ou melhor, contra as dores de dente e conseqüentemente dos dentistas. O que se sabe de certo sobre Apolônia é o que escreveu numa carta o bispo de Alexandria, Dionísio. Nos últimos anos de governo do imperador Felipe,o árabe (244-249), pessoalmente favorável aos cristãos, houve uma revolta popular na cidade de Alexandria, no Egito, contra os cristãos, açulada por um adivinho. O massacre que se seguiu durante a revolta ceifou muitas vidas de cristãos.

No seu furor, os pagãos não pouparam nem os mais fracos. Então escreveu o bispo: “Todos se lançaram sobre as casas dos cristãos. Cada um entra na casa daqueles que conhece na sua vizinhança. Saqueia e devasta, levando embora, nas dobras dos vestidos, todos os objetos preciosos, lançam por terra ou queimam as coisas sem valor. Dirse-ia uma cidade tomada e saqueada pelo inimigo… Os pagãos, depois, tomaram a admirável virgem Apolônia, já avançada em idade, golpearam as suas mandíbulas e lhe arrancaram os dentes.

São Lourenço - 10 agosto


Conta-nos a história que São Lourenço como primeiro dos Diáconos tinha grande amizade com o Papa Sisto II, tanto assim que ao vê-lo indo para o martírio falou: “Ó pai, aonde vais sem o teu filho? Tu que jamais ofereceste o sacrifício sem a assistência do teu Diácono, vais agora sozinho, para o martírio?” E o Papa respondeu: “Mais uns dias e te aguarda uma coroa mais bonita!”São Lourenço era também responsável pela administração dos bens da Igreja que sustentava muitos necessitados.

Diante da perseguição do Imperador Valeriano, o prefeito local exigiu de Lourenço os tesouros da Igreja, para isto o Santo Diácono pediu um prazo, o qual foi o suficiente para reunir no átrio os órfãos, os cegos, os coxos, as viúvas, os idosos... Todos os que a Igreja socorria, e no fim do prazo – com bom humor – disse: "Eis aqui os nossos tesouros, que nunca diminuem, e podem ser encontrados em toda parte".

Sentindo-se iludido, o prefeito sujeitou o santo a diversos tormentos, até colocá-lo sobre um braseiro ardente; São Lourenço que sofreu o martírio em 258, disse no auge do sofrimento na grelha: “Vira-me que já estou bem assado deste lado”.




Roma cristã venera o santo espanhol com a mesma veneração e respeito com que honra seus primeiros Apóstolos. Depois de São Pedro e São Paulo, a festa de São Lourenço foi a maior da antiga liturgia romana. O que foi Santo Estevão em Jerusalém, isso mesmo o foi São Lourenço em Roma.

Oração de São Lourenço: Dai-nos, Senhor, a Graça de sermos sempre resolutos e corajosos para enfrentarmos os combates, em nome da Verdade e da fé. Concedei-nos, pela intercessão de Vosso Servo São Lourenço, a Graça que vos pedimos. Por Cristo Jesus, amém.

Devoção: À caridade
Padroeiro: Dos Arquivistas, Bibliotecárias e cozinheiros